Arquivo

Posts Tagged ‘morte’

em memória de Al Berto, no dia da sua morte

Junho 13, 2013 Deixe um comentário

– Vi a noite chegar e envolver os cedros do jardim. Aix debaixo da chuva. Os pinhais enegrecidos, ao longe. A alma de Cézanne tem a forma de uma maçã e desata a cintilar, a levitar. O vento, ouve-se o vento bater com força nas portadas da janela.

[Al Berto, 2012, “Livro de Assentos, 1996”, in Diários, Assírio & Alvim]
Anúncios
Categorias:poesia Etiquetas:,

João Aguardela – adeus

Janeiro 19, 2009 1 comentário
Categorias:música Etiquetas:,

titularidade para um idiota

Dezembro 24, 2008 Deixe um comentário

admito, com certeza, a minha pouca vontade em estar acordado nestes dias. admito o meu desejo por notícias de morte na estrada. admito que fiquei contente com os actuais cerca de 290 acidentes sem mortos. já que estou acordado e integrado nesta época, admito: sou um poço de contradições, não sou feliz e nenhum banco me “daria” uma casa, como se eu precisasse de uma… admito que pretendo ser algo [coisa] que não sou, nem fui, nem serei… mesmo que mutável ao ritmo dos ponteiros do relógio [para aqueles que sabem o que isso é].

 

e agora apetecia-me mesmo ir tirar um ovo debaixo de uma poedeira, mas não posso… porque não está aqui nenhuma.

gostava de ser feliz

Julho 17, 2008 3 comentários

na batalha dos dias, enquanto os olhos guardam a insatisfação dos tempos, o que eu penso é que gostava de ser feliz.

ser feliz assim como em ser contente, sem preocupações, sem que a vida me trouxesse atribulações nem problemas solúveis apenas com a calma e a serenidade.

ser feliz cerebralmente. não falo de amores. falo de paz interior na relação com o mundo exterior. não falo de amores, porque esses fazem parte do mais interno dos interiores.

ser feliz cerebralmente. como a morte.

Categorias:teoria Etiquetas:, ,
%d bloggers like this: