Arquivo

Posts Tagged ‘morrissey’

taken

Fevereiro 10, 2009 Comentários desativados

sou-te de bom sabor longe. estou longe. não há terrores que não se ultrapassem. nem que seja com a morte. caminha. enquanto caminhares, descobrirás o que queres. novos quereres. pelo teu próprio sentir, saberás. aprenderás que não fugiste, apenas te libertas(te), um passo atrás de outro. sou-te de bom sabor longe, como um gelado na TV. sorri. a vida é já ali.

you made me feel less alone
you made me feel not quite so
deformed, uninformed and hunchbacked

Moz repete a tua voz:

one day goodbye will be farewell
so grab me while we still have the time

Anúncios
Categorias:intimidade Etiquetas:

Moz says

Fevereiro 9, 2009 Comentários desativados

algumas nuvens. não chove. devem estar uns 12 graus centígrados. quase nenhum vento. aqui ao lado um cardhu. no ar Moz e Years of Refusal. uma panóplia de mixed feelings no interior. uma maravilha. sem rosas nem espinhos. só o seco da garganta.

Moz diz

your voice it might say no
but the heart has a will of its own
your voice it might say no
but the heart, has a heart of its own
/…/
it cannot be given and so it must be taken
/…/
all of the gifts that they gave can’t compare
in anyway to
the love i am now givin’ to you
right here right now
/…/
did you really think we meant
all of those soppy sentimental things
that we said yesterday?

Moz vai dizendo,

let the heart rest
lay back your head
you were good in your time and we thank you
you made me feel less alone
you made me feel not quite so
/…/
time takes all grief away
you were good in your time and we thank you so
/…/
you said more in one day
than most people say in a lifetime
it was our time and we thank you
/…/
please understand I must surrender
/…/
then you grip with your hand
now so small in mine
are you aware wherever you are that you have just died?

Moz continua,

you say oh please forgive
you say oh live and let live
but sorry doesn’t help us
and sorry will not save us
and sorry will not bring my teen years back to me
anytime soon
/…/
you lied about the lies that you told
which is the full extent of being you is all about
you say oh please forgive
you say oh live and let live
but sorry doesn’t help us
oh sorry will not save us
oh sorry will not bring my love into my arms
as far as i know
/…/
sorry is just a word you find so easy to say
so you say it anyway
/…/
sorry won’t undo all the good done wrong
my love

Moz ainda insiste com outras e mais palavras. eu vou engolindo em seco. cada vez com menos vontade de o ouvir dizer o que me tem a dizer.

the one i love is standing near
the one i love is everywhere

Categorias:intimidade Etiquetas:

para sempre um sinal

Janeiro 19, 2009 1 comentário
para sempre um sinal

Esta livro ficará para sempre registado com o par Morrissey e os seus anos de recusa. Fortes e tristes no drama, na luta, na oralidade.

in the absence of human touch

Janeiro 14, 2009 Deixe um comentário

Morrissey, no seu maravilhoso ano.

Este dia, lindo, assim, maravilhosamente antecipado antes de dormir. Quem agora aqui chegar não tem que pensar nem reflectir. Deixe-se disso. Mais tarde.

most cannibals would hate me

Julho 2, 2008 3 comentários

a existência de imagem deveria requerer que os olhos admirassem o que se passa na “tele”. contudo o prazer da audição e o resto que anda à minha volta, como ler o bang bang you’re dead e avaliar a tradução para português europeu feita por um puto, faz com que me esqueça do ecrã.

já vai na segunda volta de concerto 🙂 e que maravilha de alinhamento. o meu pensamento só não discorre melhor por ter a mão direita imperfeita e o cérebro em reconstituição – ou seja lá o que for que me diz: não fazer nada é complicado, mas tenta relaxar.

grande Morrissey.

obrigado 🙂

%d bloggers like this: