Arquivo

Posts Tagged ‘josé agostinho baptista’

constatação

Março 21, 2010 Deixe um comentário

Agora
posso calar-me, meu amigo,
para sempre,
agora, meu irmão,
posso entregar-te as palavras que me
assaltam como um exército de
armas negras,
de aço temperado nas oficinas de um
país demente,
agora
posso baixar a voz e falar-te em surdina
dos rios de prata que vi correrem pelo
mundo,
agora
posso deixar à tua porta os punhais de
Deus e o cordeiro do sacrifício.
agora posso morrer de vez
e chamar-te do outro lados dos alpendres.

[José Agostinho Baptista, in Anjos Caídos]

Anúncios

Estás sentado onde a ponte imensa se quebra com o tropel

Março 21, 2009 Deixe um comentário

Estás sentado onde a ponte imensa se quebra com o tropel
dos cavalos.
É um país dorido, com as suas pálpebras baixas, voltadas
para a terra.

Não há centelha que brilhe no azevinho que descuidas.
Apenas lava, um martírio de planícies lunares, queimadas.
Num vaso de ouro recolhe cinzas.

As solidões trancam-se à volta com as sete chaves da
agonia, esquecendo-te.
são como letras de um nome, uma espiral de vogais amargas.

Caminha peregrino, faz o teu caminho.
Amanhece, abre-se o grande leque do mundo, um sussurro
quando pelas costas resvalam punhais.

És alto, altivo.

Habitas a pedra nua das mansões divinas,
e tens a forma dos dias, as margens perfeitas e tensas.
O manso rio enlouqueceu,
a tua loucura inaugura o caos.

Redemoinham destroços, visões de náufragos, um clamor de
ossadas quase vivas.
Constróis um derradeiro templo, um pesado destino de
águas e gritos e
despenhas-te no fundo, no fragor da espuma.

Porque a água grita com a sua voz fria, ruge todas as
imprecações.
É uma laboriosa canção esse destino de baías violentas,
onde um homem pensa,
pensa que a sua vida se despede e desabriga.

[José Agostinho Baptista, de O Centro do Universo, in Biografia]

%d bloggers like this: