“Canto I” de Rute Castro

Abril 17, 2015 Deixe um comentário
Categorias:livros, poesia Etiquetas:,

“Pombalina” de Rosalina Marshall

Abril 17, 2015 Deixe um comentário

“o poema é uma casa” de Rui Pires Cabral

Abril 17, 2015 Deixe um comentário
Categorias:livros, poesia Etiquetas:,

“Golpe” de Manuel Margarido

Abril 17, 2015 Deixe um comentário
Categorias:livros, poesia Etiquetas:,

cidade nenhuma

Dezembro 28, 2014 Deixe um comentário

O novo livro da medíocre, “cidade nenhuma”, é uma parceria entre Luís Belo e Bruno Ministro. O primeiro como fotógrafo e o segundo como poeta.

As fotografias revelam pormenores não identificados de Viseu. Os poemas são reacções às fotografias. As fotografias entregam Viseu ao (quase) anonimato, promovendo a possibilidade das imagens pertencerem a qualquer cidade, ou nenhuma. A maioria dos poemas parece estabelecer o óbvio observável, através de pequenos trechos, onde existem descrições antropomórficas em demasia, descrições imediatistas ou surrealistas da imagem e/ou fins nem sempre conseguidos.

O meu reduzido conhecimento deste tipo de parcerias poderá estar a subjugar a qualidade dos textos, mas o trabalho que acompanho é o que resulta do par Nozolino/Baião. Ora, a qualidade de Baião, nos poemas que nos oferece, está muito para além de uma legendagem das imagens de Nozolino.

As fotografias de Belo, em “cidade nenhuma”, importam, sobretudo, pela representação dos locais enquanto representações humanas, praticamente, despidas de pessoas. A descoberta visual, traz, novamente, uma prática de etnografia, já presente em “emergir“, o primeiro livro de Luís Belo.

Um livro a descobrir pela colecção fotográfica, que poderia espoletar uma colecção de várias cidades nenhumas.

Edição de 70 exemplares, de 2014.

p.s. – um outro exemplo, mas diferente, da escrita de poesia para fotografia, com vários intervenientes na escrita e desconhecidos na fotografia, pode ser lido e visto na edição Averno de “Nós, os desconhecidos”, de novembro/2012.

Categorias:livros, posto móvel

a 20 de Setembro de 1994

Setembro 20, 2014 1 comentário
Categorias:poesia Etiquetas:,

laivos de demência (surgimento)

Maio 31, 2014 Deixe um comentário

Hoje
Todos os dias
Hoje

Lembro como é efémero
O pensamento
Dolorosa a lembrança
Da tristeza que me invade
Conquista
Todos os momentos

Hoje
Ontem
Antes disso
E muito além

Para sempre
Erro

Categorias:versos
%d bloggers like this: