Início > poesia > CLARIDAD

CLARIDAD

Hay una luz ciega que de pronto
palpa nuestro cuerpo
y lo abre y lo disgrega.
Y la claridad canta
a la espuma y las llamas.
Y es el esplendor de la muerte
en el desfiladero de sombra,
en el bosque de nubes.

El que vive en una casa ardida y apartada
y se siente construido con vigas de fuego,
respira el anhelo de erigir más blancura,
en el cielo, contra el sol y contra la noche,
sabiendo que la vida es capricho
de un solo dios enloquecido.

[Ángel Gracia, de Sementera, in Arar, Prames – Las Tres Sorores, 2010]
Anúncios
  1. Ainda sem comentários.
  1. Março 22, 2012 às 13:46

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: