as pessoas que falam

As pessoas falam. O Matias, o Simão, o Filipe e o Mateus. Não páram. Falam. Falam.

Ouço, límpido, o nome. O resto é uma confusão de desejos.

Impertinentes, não se calam. Uma confusão de sons, que foram palavras nas bocas deles. Gestos adornam os sons, de onde sobressai sempre o nome.

Um turbilhão de imenso silêncio.

Repete-se uma imagem: quando partes, partes de mim quebram-se no chão. Partes que não se conjuntam nunca mais.

E enquanto se sucedem as derrocadas e o rio se revolta nas margens, o universo constrói-se.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s