Um abismo

Um abismo de silêncio
abriu-se na casa.

Funâmbulo
entre dois tempos:
o passado, lenitivo
o futuro, ameaçador.

Pelas ruas, tal um verme,
rasteja o presente.

[Jorge Gomes Miranda, Requiem, Assírio & Alvim, 2005]
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s