Início > poesia > Nenhum anjo…

Nenhum anjo…

Nenhum anjo, por mais desatinado, nos cobiçará. Esta cisterna humana engendrou doses sobrenaturais de tédio. Como se na agitação das matérias não houvesse alimento suficiente para o músculo da paixão. Isentos da plácida imortalidade dos anjos, despojamo-nos da fome dos sentidos. Vamo-nos deitando, lentos glaciares, numa desolação mais extrema que a ignorância da gravidade.

[Vasco Gato, Rusga, Trama, 2010]
Anúncios
Categorias:poesia Etiquetas:,
  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: