Início > poesia > II

II

Que posso eu dizer da cal,
que não tenham dito os aprendizes
de Eugénio de Andrade?
A cal é quente e fosca, não conhece idade, gosta
de dançar ao sol.

Sendo forte, por modéstia, não o diz.
Como não enaltecer o deu decoro,
a sua agilidade, uma tal delicadeza?
Não tem preço a sua branca companhia,
tanto mais
quando tudo à nossa volta pronuncia pez.

[José Miguel Silva, de Serém, in Telhados de Vidro nº8, Averno, 2007]
Anúncios
  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: