Início > poesia > Fábula

Fábula

Os animais interrompem sua marcha
julgam ouvir de repente um sino
debaixo d’água
por isso se estendem

muito longe, em auroras e ermos
quando os cremos ao nosso alcance
a atenção deles perfura
a fábula intransponível

nesse momento não vêem
dir-se-ia que nem adivinham
o fuzil de caça
os teus dedos azuis

[José Tolentino Mendonça, in O Viajante Sem Sono, Assírio & Alvim, 2009]
Anúncios
  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: