Início > poesia > Cegueira

Cegueira

Um traço agudo e anónimo, apesar
de nela o coração fazer publicidade,
não dá
da pele a exacta dimensão.

Qualquer de nós o sabe, ao exibirmos
as correias que prendem ao destino o coração
sentimos
a pele perder-se entre a cegueira dos tecidos.

[Luís Miguel Nava, Amor Luxúria e Morte, Mirto, 1987]
Anúncios
  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: