Início > poesia > As justas partilhas

As justas partilhas

brutalmente frugal o que levaste:
a mais sobraram umas falhas
falta luz digo falta espaço
disseste como se fora
o que sempre te faltou mas
o tempo igualmente se esgotou
e não há penalização
por tudo
nem se compensam as manchas
do nada
que resta e acastanhece na casa
e que não cabe e
se dantes coube nunca
eu soube dissolver

[Margarida Vale de Gato, mulher ao mar, Mariposa Azual, 2010]
Anúncios
  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: