Início > poesia > Como nunca tiveste um corpo…

Como nunca tiveste um corpo…

Como nunca tiveste um corpo, como eras todo alma, agora estás lixado. A alma, de tão etérea, sempre morre. Só o corpo é imortal.

[Rui Caeiro, Olhar o Nada, Ver a Deus, Averno, 2003]
Anúncios
Categorias:poesia Etiquetas:,
  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: