Início > escrita > ensaio para o filme das criaturas

ensaio para o filme das criaturas

my dear friend, once upon a time this story would have some beautiful meaning, but nowadays it only announces the death of the eternal spirit. nevertheless, the soul is still breathing as the sun comes down where it is born everyday.

no quadrado exacto, junto a um rectângulo com menos coerência de medidas laterais, está o banco. o banco situa-se na intersecção da recta que atravessa a figura entre os vértices inferior direito e o superior esquerdo e a recta que percorre a figura entre o centro do lado inferior e o centro do lado direito. um dos quatro pés do banco acenta na intersecção. sobre o banco está um rabo e acopolado a este o que falta para completar uma figura humana. esta figura humana pode não ter vida, desde que quem observa tenha a noção de que a figura fala.

o rectângulo pode estar em qualquer um dos lados do quadrado e, se assim se entender, pode até ser um paralelepípedo.

.falas do diabo como se me tivesses conhecido. falas de deus como se te tivesses alguma vez esquecido de te olhar ao espelho antes de saíres de casa. odeio.te. sou um pobre diabo. ouço.o desde pequeno nas bocas e línguas estaladiças das velhas e das tias e dos primos. os tios bebiam vinho e assavam febras. mal tinham tempo para se rirem da desgraça dos outros. nunca percebi o que tinhas de bom. tens? tiveste? umas asas de desejo. que mais pareciam uma boca. se vermelhas. bem aberta para melhor comer. falas do diabo. mas não falas de mim. serei o teu espelho? e por isso invisível? na verdade ausente. por escondido.

.lembro.me bem dos vidros deformados das janelas da casa do senhor. foram substituídos pelos padres e perderam.me. a areia tinha descaído como as mamas das mulheres. mães de meninos e homens. tetas bem puxadas pelos lábios da paixão. tesão. sezão. belas mulheres atiradas ao esterco da vida. quero voar daqui e morrer na beira de uma falésia.

.uma vez fomos tirar o esterco da casa do burro. a casa tinha três metros de pé direito. dois metros de altura tinha a merda. de burro e cabras e coelhos e galinhas. o burro mal podia com as patas febris. a maria não era nova e o josé estava cego. dois metros de altura de esterco para a rua por uma porta de um metro e setenta por meio metro. e os nossos corpos pretos de pulgas. vermelho de nojo e de mordedelas sanguinárias. os tios passavam bem com o tinto e a febra.

.também mudámos o telhado. foi a primeira vez que voei de um telhado.

.fez.te bem.

.fez.me perder o amor.

.qual amor?

.o da família.

Anúncios
  1. Setembro 28, 2010 às 13:35

    dasse.

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: