Início > poesia > consciência

consciência

À noite,
            no terraço,
uma cadeira sem ninguém,

como se suportasse o peso de tanto vazio

ou como o mendigo à porta de uma escola,
esperando que alguém lhe devolva
aquilo que nunca teve.

Eu sou todas as crianças,
cada estrela

o relâmpago suspenso no momento exacto de nascer.

[Josep M. Rodríguez, in A Caixa Negra, trad. Manuel de Freitas]

Anúncios
  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: