Início > poesia > resposta a emile

resposta a emile

a guerra daqui não mata – mas abre fissuras
nos nervos – é o que te posso dizer
deste país que escolhi para definhar

a cidade é um amontoado de lixo de tapumes
de sucata e de casas que se desmoronam
a realidade estragou os olhos das crianças

no fim do corpo em que me escondo espalhou-se
a treva onde
guardo a corola azulínea de tua ausência

e o marulho nítido de um mar que canta
e um calor sísmico nos lábios que beijaste

é-me difícil continuar a escrever-te
o que me destrói – sei que estou fodido
e tu já não és meu

preparo-me para entreabrir os olhos e
deixar escorrer a convulsão oleosa das lágrimas
e das coisas tristres

[Al Berto, in Horto de Incêndio]

Anúncios
Categorias:poesia Etiquetas:,
  1. Monica
    Janeiro 11, 2010 às 10:02

    Lindo.
    Obrigada por manteres sempre presente essa lembrança.

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: