Enche-me, preenche-me de poesia…

Enche-me, preenche-me de poesia a memória do meu companheiro Olímpio. Não podendo eu, nem sabendo, viver sem poesia (vida e poesia são-me uma e a mesma coisa, possa embora prescindir de poemas), tê-la-ei sempre cá dentro, ele cá dentro, pedacinho do pão que me alimenta.
A meio da noite, o operário em construção interrompeu de vez o trabalho. O ser amoroso, esse, perpetua-se no infidável rio subterrâneo onde flui, indizível, a pulsão poética que vale a vida.
E se isto pressupõe literatura, é favor rasgar.

[Vitor Silva Tavares, de Um Pedacinho de Pão, in Olímpio]

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s