Início > poesia > o tom da paciência

o tom da paciência

Não são só os cromáticos momentos
que esculpem edifícios:
a lama serve o barro, o barro as casas
até conter o círculo

do infinito tom de paciência
da lama no cinzento:
aos bocados de sol sempre que é tempo
e traços de palácios

[Ana Luísa Amaral, in entrelaços, de Coisas de Partir]

Anúncios
  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: