Início > poesia > Corredores

Corredores

Agora dormes e acordas
cada vez mais longe. Não sei porquê.
Julgo que tens sido fiel a uma certa noção
de sofrimento. Os teus dias já nascem obrigados
à noite que fundaste, são os corredores
de uma misteriosa predestinação. Mas

e se o tempo fosse um erro teu, um erro
de percepção? Anda daí. Estas avenidas
não têm verdadeiramente outro propósito,
foram escritas por capricho no grande livro
de Deus. Haverá outras oportunidades
para a descrença, outras violências. entretanto,
devolve-me o favor das tuas mãos e permite
que caminhemos juntos outra vez.
Ao sol, ao sol.

[Rui Pires Cabral, de Praças, in Praças e Quintais]

Anúncios
  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: