Início > poesia > auto-estrada

auto-estrada

Trânsito compacto, à altura dos anos que já passaram,
como tarde de Dezembro, segues no ruído das rotações
mais baixas, uma rodilha que lateja nas bielas
— servidores do Estado, pequenos empresários, enfermeiras
diplomadas, criados de mesa que ajeitam as calças,
ocupações triviais, negócios sérios, a subida
de dois escalões na carreira e o orgulho profissional,
mães, mulheres, filhos, amantes, os poucos
amigos que não desertaram, recolheram-se
ao local benigno, onde sempre deveriam ter estado;
dois riscos de nuvem ultrapassam o sol, que se pode olhar
de frente — a tua rendição aceite sem condições,
a cabeça no cepo, a sombre do carrasco e um deus
que o cheiro lisonjeia e desce para recolher o sangue.

[José Alberto Oliveira, in Peças Desirmanadas e Outra Mobília]

Anúncios
  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: