Entre um dente e outro, cabe muita gente

Entre um dente e outro, cabe muita gente

Sempre és muito pequeno, não? Do tamanho de uma ervilha. Deitas-te com princesas e elas sabem que as incomodas.

Bom dia. Sem luz. Com chuva fina. Sem luz. Com frio e cachecol. Sem brilho. Nem vida.

Olho em volta e as pessoas ignoram-se mais do que o contrário. Frustrei o arranjar de uma palavra que contrariasse o mutismo, mas não entrasse em festa. As manadas comportam-se assim. Os rebanhos também. Mas não as alcateias ou as matilhas.

Sem calor.

P.S.- E eu a ti.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s