Início > poesia > de que serviria

de que serviria

Aquilo que somos não é aparente,
não podemos explicar o sofrimento de onde procede
este amor. Mas eu não vim para te dizer como as sombras
mistificam o mundo, oh não me perguntes
nada. Tu já és a causa por trás da máquina
dos dias, se eu for por essa terra fora,
será para chamar por ti.

[Rui Pires Cabral, in hífen 10 – Cadernos de Poesia – anos noventa (alguns poetas)]

Anúncios
  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: