Início > intimidade, poesia > 25 de Dezembro de 1937

25 de Dezembro de 1937

Com amor ou com ódio, mas sempre com violência.

Ir para o confino não é nada; voltar, é atroz.

O homem-massa não devia ser o rufia, mas o disciplinado. Não sou um nem outro.

Há uma coisa mais triste do que envelhecer: permanecer criança.

Se foder não fosse a coisa mais importante da vida, o Génese não começaria por aí.

Naturalmente, todos te dizem «que importa? Não é a única coisa que existe. A vida é vária. O homem vale por outras coisas», mas ninguém, nem mesmo os homens te lançam um olhar, se não tens aquela potência que irradia. E as mulheres dizem-te «que importa?, etc.», mas casam com outro. E casar quer dizer construir uma vida. E tu nunca a construirás. Isto significa ter sido criança demasiado tempo: exactamente.

Se a coisa correu mal com ela, que era todo o teu sonho, com quem é que poderá jamais correr-te bem?

Recordas-te dos teus sonhos de casas proletárias e límpidas, das corridas sob as árvores de um prado, da fria cidade sob as montanhas, dos domingo errantes em direcção à praça, pisando o calcetado das ruas; e, depois, do teu sonho dilacerante de companheiras piemonteso-internacionais, raparigas que vivem sós e trabalham, de plebeia elegância e serenidade, e, depois, de toso os poemas do primeiro ano, que ficaram para sempre aniquilidados naquele 9 de Abril? A tua juventude não cabe toda inteira no cinema e na Praça Statuto? morta, absolutamente morta?
Recordas-te de como pensaste na Praça Statuto quando estava em Brancaleone?

Era precisamente a ti que devia acontecer o teres concentrado a vida toda num único ponto, e depois descobrir que podes fazer tudo, salvo viver aquele momento.

Afinal de contas, hoje são 25. E ela está na montanha. Houve um dia 25 em que ela não foi. Não é verdade?

Que importa viver com os outros quando cada um se está nas tintas para o que é importante para os outros?

Para agradar aos homens é preciso professar o que cada um desses homens repudia e odeia na sua vida secreta.

+Falhaste no amor-plenitude com esta. Quem te poderá dar o amor-remedeio? Nenhuma, uma vez que até esta, que te rejeitou porque a plenitude era impossível, encontrou o amor-remedeio com outro.+

Sinceramente. Preferia morrer a receber esta notícia a respeito dela. Neste momento gostaria de acreditar em Deus para poder orar. Que não morra. Que nada lhe aconteça. Que tudo seja um sonho. Que haja sempre um amanhã Que desapareça antes eu.

Uma só criatura ensina mais do que cem.

[Cesare Pavese, in O Ofício de Viver
tradução de Alfredo Amorim e +Margarida Periquito+]

Anúncios
  1. paulo
    Setembro 25, 2012 às 12:48

    O livro «Ofício de Viver» de Cesare Pavese, foi para mim uma grande desilusão! Puras palavras e pensamentos soltos, perdidos e não aprofundados. Ideias banais, sem conteúdo que as justifique. Um livro desorganizado, sem criatividade, sem recursos literários, sem sentido e pobre!

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: