Início > poesia > loneliness

loneliness

à memória de Eduardo Guerra Carneiro

Há refrões que não são fáceis de aprender:
Here comes loneliness*.
Foi essa, desde o início, a nossa história.

Que passos te levam
ou não levam agora aos mesmos
bares, a portas fechadas,
àqueles de que nem pudeste despedir-te?

Procuras uma resposta,
a forca simples de um olhar.
Mas é demasiado tarde,
canções
que fingindo a vida nos sepultam.

[Manuel de Freitas, in Walkmen]

*suponho ser verso da letra de Loneliness dos Tuxedomoon.

Anúncios
Categorias:poesia Etiquetas:,
  1. Ainda sem comentários.
  1. Dezembro 26, 2008 às 13:02

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: