a mão esquerda

esta mão que vos escreve, sempre negligenciada, abandonada, pouco reconhecida, poderia contar a história dos meus amigos, que saúdo entre silêncios de tempo indeterminado (mais reactiva do que activamente), dos meus amigos que amo mas a quem não falo sobre a minha vida. e acabo por não lhes saber os passos. e acabam a gritar comigo por os ignorar e, para além dos meus amigos, a minha amante e amiga, injustiçada no meio atroz da minha demência. a ela mantenho-a num mundo separado, sem introdução ao outro mundo, que é cheio de diferenças e sorrisos, que são, afinal, os meus amigos.

quando todos os meus mundos precisam ser aproximados, envolvidos… porque fazem sentido juntos.

e todos eles, mesmo assim, ainda gostam de mim. e ficam à espera que eu avance um passo e lhes reconheça, tacitamente, que são eles que me suportam a alma. afinal, é nesta gente toda, para a qual sobram dedos dos dez das mãos, que eu transporto tanta da minha volúpia emocional, intelectual e física.

é nesta gente que penso quando vivo, e vivo quase todos os momentos com esta gente no pensamento.

lamento sempre os meus actos, mas enquanto os factos não forem revelados não há lamento que se admita na minha culpa judaico-cristã.

Anúncios

One thought on “a mão esquerda

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s